Atravessando as ondas de forma inteligente

Por , 12 de Setembro de 2016 a las 19:00
Atravessando as ondas de forma inteligente
Futuro

Atravessando as ondas de forma inteligente

Por , 12 de Setembro de 2016 a las 19:00

A Samsung tem a primeira prancha de surf inteligente acelerada graças a capacidade de um dispositivo móvel

A areia fina, o som das ondas quebrando na praia, o sol, pranchas de surf, bicicletas… Não podemos negar que o verão é a época do ano que esperamos mais ansiosamente. E, o verão é o melhor remédio para todos os problemas que surgiram durante o ano.

Durante toda minha infância e adolescência vivi em Gijon, uma cidade que se transforma em um dos melhores destinos do verão em toda a costa espanhola. Olhando para essa época, as memórias surgem e me transportam para o Parque de Begoña, onde nos reuníamos todos os amigos com pranchas de surf, algumas mais sofisticadas que outras, com chinelos e boné para trás, ouvindo qualquer um dos temas de Weezer como “Surf Wax America”. Nela, a banda californiana descreve perfeitamente a sensação de subir em uma prancha e juntar-se ao mar:

“The sea is foaming like a bottle of beer, the wave is coming but I ain´t got no fear, I´m waxing down so that I´ll go real fast”.

smartsurf2

Chegávamos à praia de San Lorenzo e deixávamos livre nossa imaginação com as pranchas fazendo todos os tipos de proezas e, para que negar, alguns com mais sucesso que outros. Eram dias em que a tecnologia não fazia uma parte fundamental de nossas vidas e não tínhamos smartphones para estar conectados em todos os momentos.

A evolução da sociedade como um todo, nos levou a viver em uma revolução digital contínua, em um mundo em que tudo e todos estão conectados. Desde pessoas nas redes sociais, passando pelas smart cities, até os diferentes wearables para medir o desempenho e eficiência nos treinamentos.

Neste contexto, o surf não está disposto a ficar para trás, como a maioria dos esportes, e a filial da Samsung no Brasil quer que o surfista e sua prancha estejam conectados com todo o mundo desde dentro do mar através de uma prancha com capacidade de se conectar a um smartphone. Trata-se do modelo Galaxy S7 projetado para fornecer qualquer tipo de informação para o surfista.

Samsung lança ao mar com Galaxy Surfboard

Quando falamos de pranchas de surf em nenhum momento imaginamos uma prancha “inteligente”. O recurso “smart” vem da capacidade de implementar um Galaxy S7 que funciona como cérebro e que conta com um painel de LEDs onde se mostram as condições meteorológicas, direção do vento, tamanho das ondas… Todo um sistema de monitoramento para otimizar o rendimento.

Mas a razão para adicionar esses recursos a uma prancha de surf vai muito além. A solidão do esportista a mais de 100 metros da costa, sem contato direto com o treinador ou alguém que o apóie, permitiu que este sistema servisse para matar o tempo de espera para a onda perfeita. Portanto, as possibilidades deste sistema são ilimitadas, uma vez que, na mesma tela, o atleta receberá mensagens do seu treinador sobre como pegar uma onda, conselhos necessários, ou mensagens de apoio de fãs através de redes sociais, em qualquer campeonato de surf.

Surfin´ USA

Como tudo na vida, muitas histórias começam com um simples detalhe. Assim aconteceu com este esporte na Espanha. Há um ano, li uma reportagem sobre a chegada do surf às costas espanholas e como, em 1962, dois jovens de Gijón: Felix e Amador, colocaram seus pés em uma prancha de madeira esculpida a mão, adentrando-se no Mar Cantábrico de maneira totalmente autodidata.

A música sempre foi uma parte vertebrada deste esporte, e olhando para a capa de Surfin USA dos Beach Boys, na que aparecia uma onda enorme atravessada por um surfista, Felix disse a Amador: “A gente pode fazer isso aqui”, e assim foi. Naquele verão, umas pranchas de madeira surfavam pela primeira vez as ondas que banham a geografia espanhola.

Bem, daquelas pranchas esculpidas à mão chegamos agora às pranchas inteligentes.

Texto Anterior

A impressão 3D vai a sério: General Electric investe 1.4 bilhões

A impressão 3D vai a sério: General Electric investe 1.4 bilhões
Próximo Texto

Será que nossos filhos trabalharão em escritórios?

Será que nossos filhos trabalharão em escritórios?

Recomendados