Cinco perguntas sobre a obesidade que a ciência quer responder

Por , 24 de Dezembro de 2015 a las 15:00
Cinco perguntas sobre a obesidade que a ciência quer responder
Saúde

Cinco perguntas sobre a obesidade que a ciência quer responder

Por , 24 de Dezembro de 2015 a las 15:00

Especialistas reunidos em um simpósio em Madrid sobre obesidade tentam responder as perguntas sobre este problema da saúde pública global.

O Natal está aqui e com ele vem as nossas preocupações sobre os alimentos que comemos com a família ou amigos. Depois das festas, nossa atenção voltará novamente para a balança, para tentar eliminar os quilos extras que ganhamos durante os feriados. Além das variações de peso pontuais, há um problema de saúde pública muitas vezes esquecido: a obesidade. Uma doença que afeta 500 milhões de pessoas em todo o mundo, mas pode piorar no futuro, dado que hoje 1,6 bilhões de pessoas estão com sobrepeso.

É por isso que a Organização Mundial da Saúde criou o termo globesity para se referir a um problema que vai além da aparência física para se converter em um transtorno social e psicológico importante. Por esta razão, a Fundação Geral do CSIC e a Fundação Ramón Areces organizaram há alguns dias um simpósio internacional para discutir as questões mais importantes sobre a obesidade. Ali surgiram questões-chave para compreender este problema de saúde:

Existem genes para a obesidade?

Após a conclusão do Projeto Genoma Humano, muitos tentaram compreender as causas genéticas de doenças graves, incluindo a obesidade. Hoje, a comunidade científica pôde descrever mais de 200 genes associados a esta doença.

A Dra. Ruth Loos, diretora do programa do metabolismo e genética da obesidade do Instituto de Medicina Personalizada Charles R. Bronfman, em Nova York, disse que entre 40 e 70% dos casos têm um componente genético. Apesar dos avanços nos estudos genéticos sobre a obesidade, os pesquisadores afirmam que este é um problema extremamente complexo.

obesidade2

Mesmos genes, corpos diferentes?

O simpósio em Madrid, não focou apenas na genética da obesidade. Nos últimos anos, estudos epigenéticos revelaram a importância de fatores ambientais sobre este problema de saúde. Dieta, exercício físico, estresse, sono e até mesmo a alimentação materna durante a gravidez podem ligar ou desligar os “interruptores” epigenéticos que modulam a expressão dos nossos genes.

Vimos, por exemplo, que duas pessoas que tenham o gene FTO podem ou não ser obesas com base em seu nível socioeconômico e educacional, que condicionam ou não um estilo de vida saudável. Isto deve fazer-nos refletir sobre a extraordinária complexidade da obesidade.

A gordura influencia?

Antonio Vidal-Puig, um cientista da Universidade de Cambridge e um especialista em metabolismo, explicou que a gordura corporal influencia o desenvolvimento da obesidade. No entanto, ao contrário do que se poderia esperar, o fator determinante não é tanto a quantidade de gordura, mas sua localização.

O excesso de gordura não pode acumular-se no tecido adiposo, com o que é depositado em outras partes do corpo, tais como cérebro, fígado ou nos músculos, causando o aparecimento da síndrome metabólica. Atualmente, os pesquisadores estão trabalhando para queimar o excesso de gordura (especialmente pelo exercício físico), mas também transformar a gordura ruim em gordura menos tóxica que fazem menos danos ao organismo.

obesidade3

Qual o papel do cérebro?

Os peritos consultados observaram que “a obesidade está no cérebro”, ou seja, o transtorno pode ser comparado a uma espécie dependência como o tabagismo ou álcool. A diferença, porém, é substancial: pode-se optar por não fumar ou beber álcool, mas você não pode parar de comer.

Além disso, o surgimento da obesidade também causa distúrbios emocionais graves, de modo que os pesquisadores chamam a “não estigmatizar” o transtorno. A obesidade é um problema de saúde realmente complexo, cuja prevenção e tratamento ainda estão em estágios iniciais. Nos próximos anos, a ciência continuará trabalhando para descobrir os mecanismos do cérebro que determinam se comemos mais ou menos e tratar dessa maneira de evitar este “vício”.

Pode ser prevista?

De acordo com as conclusões do simpósio realizado em Madrid, é atualmente possível prever somente entre 5 e 20% dos casos. Esta porcentagem é baixa, devido à complexidade de uma doença que, como já vimos, não tem apenas uma origem genética.

Melhorar nossa dieta e aumentar a atividade física são fatores-chave para o controle do peso e manter uma boa saúde. Mas as conclusões desta conferência não deixam margem para dúvidas: a obesidade continua a ser um problema global de solução difícil que a investigação tenta frear.

Texto Anterior

O grafeno como um método promissor para o armazenamento de energia

O grafeno como um método promissor para o armazenamento de energia
Próximo Texto

Onde fazer download de livros gratuitos e de forma legal

Onde fazer download de livros gratuitos e de forma legal

Recomendados