Como a sociedade está se unindo para fechar a falta de competências digitais

Por , 7 de Agosto de 2016 a las 19:00
Como a sociedade está se unindo para fechar a falta de competências digitais
digital

Como a sociedade está se unindo para fechar a falta de competências digitais

Por , 7 de Agosto de 2016 a las 19:00

O déficit de competências digitais é um dos maiores desafios enfrentados pelas empresas e sociedades em todo o mundo. Para a Europa, a extensão dessa diferença é preocupante: A CE previu  uma escassez de até 825.000 profissionais das TIC até o final da década.

Em nosso mundo cada vez mais digital, as implicações desse déficit são profundas. As empresas cada vez mais contam com equipamentos de TIC e com uma força de trabalho de técnicos qualificados para permanecerem produtivas e competitivas. Esses técnicos também são fundamentais para garantir que as empresas possam continuar a proporcionar os serviços digitais transformadores que os consumidores exigem.

Se queremos encarar com sucesso esta escassez, é essencial que pais e professores, organizações privadas e governos trabalhem em conjunto para incutir e promover a importância da alfabetização digital. Ao fazê-lo, podemos aprender da geração do milênio, que demonstram os esforços para resolver o problema.

Os pais têm um papel importante a desempenhar para ajudar a apoiar a alfabetização digital dos seus filhos desde a tenra idade. Ao oferecer orientação sobre a enorme gama de carreiras que permitem as competências digitais – de programador de aplicativos ao analista de dados – os pais podem ajudar os filhos a gerenciar sua aprendizagem para melhor atender às suas aspirações.

Enquanto algumas evidências sugerem que muitos pais ainda orientam seus filhos a seguirem carreiras “tradicionais” sobre as digitais (médicos, advogados, etc.), esta tendência deve mudar à medida que os millennials tornem-se pais; até mesmo porque fica cada vez mais claro que, mesmo para as profissões “tradicionais”, as competências digitais são agora essenciais.

howdigital2

À medida que as crianças entram no sistema educativo, precisam ser inspiradas para ver as habilidades digitais como uma habilidade fundamental – tanto como matemática ou a alfabetização – e apresentadas a um caminho claro de como essas habilidades podem levar a carreiras emocionantes e gratificantes.

Encorajadoramente, os governos estão começando a entender a importância de um programa de estudos apropriado para a era digital, ajudando a garantir que as crianças aprendam habilidades que serão úteis para elas em seus trabalhos futuros e vidas domésticas.

Enquanto o apoio dos pais e dos governos para a aprendizagem de competências digitais é essencial, são as empresas que na vanguarda da tecnologia que estão em melhor posição para aconselhar os educadores sobre as competências básicas necessárias para impulsionar a indústria moderna.

A UE criou também uma “Grande Coalizão para Trabalhos Digitais, que identifica a mais de 80 empresas em toda a Europa facilitando ativamente a colaboração entre empresas e instituições educativas, agentes públicos e privados para atrair mais jovens para o ensino das TIC.

A boa notícia é que já estamos vendo empresas e outras organizações enfrentar este desafio.

Apps for good, por exemplo, é um movimento para a educação tecnológica de código aberto, apoiado por empresas, que visa atualizar os métodos de ensino para torná-los mais relevantes para o mundo digital. Outro exemplo pode ser encontrado na criação da Sky, um centro tecnológico no norte da Inglaterra.

digitalgap2

O centro, que criará até 400 postos de trabalho altamente qualificados, constrói esquemas de aprendizado sobre a tecnologia própria já existente da Sky e demonstra como um grande negócio pode ajudar a promover diretamente a educação digital.

Indiscutivelmente, a geração com potencial para fazer o máximo para resolver o problema da falta de competências digitais é a do milênio.

Os millennials mais velhos, que experimentaram os efeitos positivos da alfabetização digital em primeira mão, estão ativamente oferecendo apoio para educar os membros mais jovens da sua geração, bem como uma nova onda de alunos.

A iniciativa apoiada pela Telefônica, Stemettes, lançada pela millennial Anne-Marie Imafidon em 2012, é um exemplo de uma organização criada para ajudar a combater a falta de competências digitais desde o início, garantindo que os alunos não só aprendam as habilidades digitais que precisam para suas vidas pessoais, como também que estão aprendendo as habilidades mais necessárias para a indústria.

Claramente, se as nações devem crescer economicamente e manter uma sociedade inclusiva, devemos trabalhar para tapar a lacuna de competências e dar aos cidadãos a confiança em suas habilidades digitais. Esta visão é apoiada no Índice sobre a Vida Digital da Telefónica.

O índice mostrará que o nível de confiança na tecnologia digital exibido por cidadãos de um país tem um impacto significativo sobre sua capacidade para alimentar a economia digital. Alcançar essa confiança é uma tarefa pesada e só pode ser feita por um empurrão holístico, de toda a sociedade, que reúne pais, governos, educadores e empresas.

Puxando juntos para inspirar e educar a próxima geração; pais, governos, escolas e empresas podem garantir que os cidadãos globais tenham as habilidades que precisam para viver uma vida gratificante, enquanto garantem que nossas empresas podem competir globalmente.

Texto Anterior

Por que o assistente pessoal do criador de Siri está causando sensação

Por que o assistente pessoal do criador de Siri está causando sensação
Próximo Texto

Você pode ganhar um i-Pad, se gabar de ser modesto e outras formas de duplicidade digital

Você pode ganhar um i-Pad, se gabar de ser modesto e outras formas de duplicidade digital

Recomendados