Projetado para trabalhar com as pessoas: o novo selo que deverão ter os robôs no futuro

Por , 8 de Julho de 2016 a las 15:00
Projetado para trabalhar com as pessoas: o novo selo que deverão ter os robôs no futuro
Futuro

Projetado para trabalhar com as pessoas: o novo selo que deverão ter os robôs no futuro

Por , 8 de Julho de 2016 a las 15:00

A inteligência artificial se abre caminho para o local de trabalho e é necessário estabelecer o quadro de relações que deve prevalecer entre o trabalhador humano e a máquina.

A incorporação de robôs ao ambiente de trabalho será um dos desafios mais importantes que terão que enfrentar as empresas em todo o mundo, a médio prazo. O medo de muitos empregados é que máquinas programadas possam realizar a atividade que eles praticam atualmente está levantando discussões importantes como comentamos em várias ocasiões no nosso blog ou até mesmo em alguns dos nossos monográficos. É verdade que os robôs já são uma parte importante em fábricas e empresas de montagem durante anos, mas a novidade atual é que os novos robôs têm algumas capacidades cognitivas avançadas que lhes permitem realizar atividades que antes eram de domínio exclusivo das pessoas.

Embora haja um debate sobre as capacidades dos sistemas inteligentes, o que todo o mundo reconhece é que os computadores são muito superiores a nós na hora de realizar operações de cálculo, são capazes de fazer milhões deles em apenas um segundo. Também têm uma precisão muito elevada, levando-os a serem imbatíveis na realização de determinadas atividades; não faria sentido colocar em competição a um computador e um matemático, por melhor que este fosse fazendo cálculos. No entanto, para aquelas atividades que são necessárias entender muito bem o ambiente e onde a criatividade é essencial, as pessoas têm uma maior capacidade. Duas qualidades muito diferentes, o que leva a maioria dos especialistas a considerarem que uma maior eficiência no desempenho das atividades mais complexas é conseguida através da colaboração entre pessoas e robôs.

Alcançar esta coexistência dos dois mundos em ambientes de trabalho será um dos objetivos fundamentais das próximas décadas para as empresas. Em uma primeira abordagem, tecnólogos acreditam que robôs (ou os bots se for apenas um software inteligente) poderão lidar com muitas atividades, especialmente repetitivas, atualmente desempenhadas por pessoas. Enquanto as pessoas seriam responsáveis por controlar os robôs para que eles sejam capazes de “assumir os controles” quando ocorra um problema que esteja fora do habitual.

workwithhumans2

Como comentamos no post sobre coexistência entre sistemas automáticos e as pessoas no campo da condução de veículos, esta situação não é tão simples. Por um lado, as diferenças nas capacidades são tão grandes que a coexistência pode ser difícil e até mesmo perigosa. Por exemplo, um sistema de condução autônoma utiliza margens de precisão com as que as pessoas acham difícil de conviver, como já acontece no setor da aviação. Além disso, como discutido no post, há um grande problema com as informações, especialmente naqueles momentos em que você não sabe se o sistema está funcionando corretamente, uma vez que os usuários geralmente não possuem os dados para ajudar a compreender o que está acontecendo.

Por exemplo, suponha um sistema que investe automaticamente no mercado de ações. Suponha também que se dão certas condições para as quais o sistema não estava programadoa e que fazem com que os investimentos sejam inadequados. Realmente, em tal situação, o operador responsável pela supervisão o sistema teria uma linha de ação difícil de definir por duas razões. A primeira e mais importante é que seria difícil para a pessoa avaliar se o sistema está funcionando bem, uma vez que provavelmente não saiba todos os detalhes de como atua o bot. A segunda é que, mesmo sabendo que o sistema não funciona corretamente, não teria o conhecimento adequado das relações e implicações e, portanto, não seria capaz de fazer um diagnóstico preciso e menos de propor uma solução dentro de um curto período de tempo. No investimento em derivados, isto produziu com frequência efeitos-cascata: uma série de robôs programados para a venda a um determinado nível fazem com que alcançar dito nível signifique uma enxurrada de ordens de venda, o que faz com que a descida seja muito mais forte do que deveria, pela reação automática.

Tudo isto deve levar-nos a considerar a necessidade de criar sistemas inteligentes desde o início sob a premissa de que terão que viver com pessoas no local de trabalho, o que envolverá uma série de aspectos a considerar:

  • Os processos devem ser concebidos tendo em conta as diferentes capacidades de robôs e pessoas
  • Os princípios fundamentais da decisão dos robôs devem ser conhecidos para o usuário
  • O monitoramento de entidades e relações que gerenciam os robôs deve ser fácil e intuitivo para o usuário

Ainda estamos no início de uma nova era laboral onde os robôs serão um mais um parceiro, assim como outras máquinas ou animais no passado. Embora, em princípio, numa divisão de tarefas elementar os robôs seriam responsáveis pela execução das atividades e as pessoas da supervisão, a realidade é que você não pode controlar o que não compreende perfeitamente. Isso será muito importante e será fonte de numerosos atritos no local de trabalho, talvez não demoremos em ver o especialista de recursos humanos especializado em solucionar conflitos entre pessoas e robôs. Tal situação deveria ser levada em conta desde o início do projeto e no futuro poderá tornar-se obrigatório para que robôs ou bots possam trabalhar nos mesmos ambientes de trabalho que nós que levem o selo: “Projetado para trabalhar com pessoas“.

Texto Anterior

O uso de células-tronco na dentadura pode acabar com as endodontias

O uso de células-tronco na dentadura pode acabar com as endodontias
Próximo Texto

Nasce a primeira (e a segunda) rede para a Internet das Coisas

Nasce a primeira (e a segunda) rede para a Internet das Coisas

Recomendados