GyroGlove, uma luva que ajudará pessoas com Parkinson a escrever

Por , 29 de Junho de 2016 a las 19:00
GyroGlove, uma luva que ajudará pessoas com Parkinson a escrever
Saúde

GyroGlove, uma luva que ajudará pessoas com Parkinson a escrever

Por , 29 de Junho de 2016 a las 19:00

Graças ao uso de giroscópios, a luva GyroGlove é capaz de reduzir até 80% os tremores na mão de pessoas com Parkinson, o que pode ajudá-los a escrever ou empregar utensílios.

A doença de Parkinson é um dos transtornos neurodegenerativos mais problemáticos e estendidos que existe. As pessoas que padecem desta doença têm a função cognitiva alterada, a expressão das emoções e a autonomia individual. Graças à engenharia genética e o tratamento sobre enzimas muitos avanços foram conseguidos ao longo dos anos, mas, de maneira externa, uma das soluções mais prometedoras é a criação de um estudante, GyroGlove, uma luva que reduz os tremores na mão em até 80%.

Tendo em conta que os problemas motores supõem um dos maiores problemas do Parkinson, com maior relevância nos primeiros estágios, o aporte de GyroGlove é essencial. A primeira parte do nome explica seu funcionamento: a luva emprega giroscópios como os que estamos acostumados a ver nos smartphones, que agora ajudam não só nos jogos ou em aplicativos, como também nos óculos de realidade virtual.

GyroGlove2

O mecanismo é similar, salvando distâncias, aos que se empregam em satélites espaciais para manter a estabilidade. Aqui, o bom é que são reguláveis de acordo com a severidade da doença do paciente. Antes de empregar giroscópios, tentaram levar o projeto à prática com pulseiras de borracha, molas e outros componentes que resultavam mais baratos, mas não conseguiram que funcionasse. O protótipo foi produzido dado que Faii Ong e seus colegas conseguiram financiamento para seguir com o projeto, já que o desenvolvimento de algo assim não é possível sem materiais, sensores e maquinaria de alto custo.

A redução do 80% dos tremores que, de acordo com os estudantes, se consegue com GyroGlove ajudaria, em princípio, a poder escrever, usar talheres e ferramentas domésticas, assim como beber de copos ou xícaras, até mesmo em pacientes com a doença num estado avançado. De acordo com Ong, a companhia ainda não tem data de lançamento para este produto (ainda esperam lança-lo para setembro), devido a que estão na fase final de troubleshooting. No que se refere ao preço, também não há informações oficiais, mas de acordo com o que disseram a Technology Review, do MIT, querem lançar com um preço de entre 550 e 850 dólares. Não parece muito para uma ferramenta que mudará vidas.

Imagens: GyroGlove

Texto Anterior

Quando as câmeras digitais não tinham cartão de memória

Quando as câmeras digitais não tinham cartão de memória
Próximo Texto

Como mudar o olhar de quem nos olha diferente?

Como mudar o olhar de quem nos olha diferente?

Recomendados