Pela primeira vez, um robô opera melhor que uma equipe de cirurgiões

Por , 13 de Maio de 2016 a las 15:00
Pela primeira vez, um robô opera melhor que uma equipe de cirurgiões
Saúde

Pela primeira vez, um robô opera melhor que uma equipe de cirurgiões

Por , 13 de Maio de 2016 a las 15:00

O Smart Tissue Autonomous Robot foi capaz de executar uma operação melhor que uma equipe de médicos humanos

 

O teste foi uma cirurgia com intestinos de porco, que pode ser considerada representativa dos problemas a serem enfrentados em algumas intervenções feitas em pessoas. Três equipes realizaram o mesmo procedimento. O primeiro foi composto unicamente por médicos humanos, o segundo foi uma mistura de cirurgiões assistidos por robôs e o terceiro foi STAR (Smart Tissue Autonomous Robot). Este último foi o que teve um resultado melhor.

Os pesquisadores que controlavam o processo determinaram que o procedimento do Smart Tissue Autonomous Robot foi superior ao das outras duas equipes. Para esclarecer em quais aspectos obteve um melhor resultado a cirurgia realizada pela máquina, o pesquisador que conduziu o trabalho, Peter Kim, do Children’s National Medical Center (em Washington), identificou três variáveis necessárias para a prática de uma operação.

Os cirurgiões usam a visão para avaliar em qual estado estão os tecidos, bem como suas mãos, que fornecem as habilidades necessárias para realizar um trabalho preciso. A cabeça é o terceiro fator que os médicos usam em uma intervenção, a fim de utilizar seus conhecimentos para tomar decisões.

STAR2

Nestas três seções, o Smart Tissue Autonomous Robot se desenvolve com soltura e eficiência. Para avaliar o estado dos tecidos do robô utiliza visão artificial, combinado com marcadores fluorescentes e câmeras 3D. A partir daí a máquina escolhe entre uma série de técnicas cirúrgicas que tem em seu banco de dados onde em realidade se encontra a informação necessária para o sistema tomar decisões. Suas características técnicas fazem com que funcione de forma rápida, eficiente e precisa.

Deve-se destacar, no entanto, que o STAR não trabalha sozinho. Uma equipe humana auxilia o robô para determinadas tarefas. Mas não se espera que as futuras operações efetuadas por robôs sejam diferentes desta. É que sempre deverá ter pessoas realizando pequenos ajustes e como recurso em uma situação de emergência, em caso de surgir problemas. Se faltar luz ou o robô parar por qualquer motivo, é necessário que os médicos assumam o controle.

Em todo caso STAR poderia marcar uma mudança de tendência. De operações realizadas por médicos com a ajuda de robôs poderia passar a operações que usam robôs com a assistência de médicos. Os pesquisadores acreditam que este método pode reduzir o risco nas operações e estimam que em dois ou três anos o sistema poderia estar no mercado, se encontram um parceiro de negócios adequado.

Imagens: stilldavid, II

Texto Anterior

E se a carne criada em laboratório fosse mais saudável que a de hoje?

E se a carne criada em laboratório fosse mais saudável que a de hoje?
Próximo Texto

A importância da energia solar hoje e nos próximos anos

A importância da energia solar hoje e nos próximos anos

Recomendados