E se a carne criada em laboratório fosse mais saudável que a de hoje?

Por , 13 de Maio de 2016 a las 07:00
E se a carne criada em laboratório fosse mais saudável que a de hoje?
Futuro

E se a carne criada em laboratório fosse mais saudável que a de hoje?

Por , 13 de Maio de 2016 a las 07:00

A carne cultivada está chegando em breve e pode ser mais saudável que os alimentos que comemos habitualmente hoje.

Existem vários laboratórios que estão investigando métodos para criar a carne cultivada ou artificial. Trata-se de comida sintetizada com cultivo de células musculares provenientes de animais. Os investigadores que trabalham neste campo sugerem que este tipo de alimentos chegarão aos supermercados dentro de poucos anos. E não deixam de notar que, em comparação com a carne que comemos hoje, a cultivada poderia ser mais saudável.

A pesar de que, no que se refere à alimentação, tudo que for artificial tem má reputação, a carne cultivada ou artificial poderia ser mais saudável que a que comemos hoje. Ao ser sintetizada em laboratório a partir de células-tronco extraídas de animais é possível projetá-la, literalmente: brincando com sua composição química para que o resultado final seja o pretendido.

Entre outras coisas, a carne cultivada é produzida em ambientes esterilizados, que evitam a penetração de certas bactérias que podem causar intoxicação alimentar na comida. Ao se tratar de condições estéreis não é necessário tratar a carne com antibióticos, uma outra vantagem sobre os animais que fazem parte da indústria alimentar.

Em fazendas e outros centros de produção aos animais são tratadas com antibióticos para evitar que adoeçam e permitir que cresçam mais rápido. No entanto, esta prática tem sido relacionada ao surgimento de bactérias resistentes aos antibióticos, que pode ser perigosa para as pessoas.

carnecultivada2

No que se refere aos hormônios, a carne cultivada não necessita deste tipo de substâncias, enquanto que na agricultura intensiva são usadas para acelerar o crescimento dos animais. Um relatório da Comissão Europeia advertiu contra os efeitos que o tratamento hormonal pode causar à saúde das pessoas que ingerem esta carne, mencionando possíveis efeitos cancerígenos. Na União Europeia está proibido o uso destas substâncias, mas em outros lugares, como os Estados Unidos, ainda são utilizadas.

As substâncias que podem ser eliminadas

É possível evitar a adição das substâncias referidas, mas também existem outros componentes que a carne, por sua própria natureza, possui, mas que são prejudiciais e podem ser eliminados.

O ferro heme é um dos componentes nos que a OMS prestou atenção para dizer que a carne vermelha poderia ser cancerígena. Na carne cultivada o ferro heme poderia ser eliminado ou reduzir significativamente sua quota. O mesmo poderia ser feito com as gorduras saturadas, que aumentam o nível do “colesterol ruim”, sendo substituído por ácidos graxos ômega 3.

Embora seja verdade que, ao remover tudo isso, esta carne artificial seria um produto descafeinado e irreconhecível. Sem a gordura perderia textura e suculência. Sem ferro heme a carne seria amarela em vez de vermelha. E se você adicionar ácidos gordos omega 3 o alimento terminará por ter um gosto similar ao do peixe.

Em qualquer caso, a expectativa não deixa de ser latente, especialmente considerando que o consumo de carne aumentará ao longo dos próximos anos. Com a carne cultivada se poderia dimensionar a produção e reduzir as emissões, uma vez que as produzidas por um animal são maiores que as geradas em laboratório, onde também seria consumida menos água.

Imagens: David Parry/PA, Universidade de Maastricht

Texto Anterior

Seus olhos estão sempre grudados no celular? Esta cidade colocou semáforos no chão para você

Seus olhos estão sempre grudados no celular? Esta cidade colocou semáforos no chão para você
Próximo Texto

Pela primeira vez, um robô opera melhor que uma equipe de cirurgiões

Pela primeira vez, um robô opera melhor que uma equipe de cirurgiões

Recomendados