Smart Cities: as cidades como plataforma de transformação digital

Por , 28 de Abril de 2016 a las 15:00
Smart Cities: as cidades como plataforma de transformação digital
Futuro

Smart Cities: as cidades como plataforma de transformação digital

Por , 28 de Abril de 2016 a las 15:00

Há dois elementos fundamentais que estão fazendo com que o conceito de Smart City adquira uma importância especial. Por um lado, o processo global de urbanização e, por outro, a grande revolução digital que estamos vivendo.

Cada vez está mais claro que nossa era está se transformando no século das cidades. Uma grande quantidade de pessoas está se mudando de zonas rurais para zonas urbanas, o que está causando um grande processo global de urbanização. Por outro lado, a revolução digital dos últimos anos transformou nosso planeta em um mundo hiperconectado. Esses dois fatores fazem com que as Smart Cities, adquiram mais importância do que nunca.

Neste contexto, enquanto na Europa esta tendência pode significar o uso de suas cidades como plataformas de transformação digital socioeconômica, na América Latina será um impulso que ajudará suas cidade a superar desafios, do mesmo tipo, que terão que enfrentar no futuro.

O objetivo final das cidades conectadas é melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. Desde aumentar a eficiência da prestação de serviços públicos até melhorar as condições meio ambientais ou da indústria. E as possibilidades vão além, já que a ideia de que se transformem no eixo fundamental das políticas públicas cada vez é mais forte.

De acordo com o relatório “Smart Cities. La Ciudad como plataforma de Transformación Digital. Una oportunidad para Europa”, elaborado pela Telefônica Vivo, as cidades como ‘plataforma’, devem facilitar sinergias, garantir a interoperabilidade com outros serviços e promover a inovação a partir das plataformas abertas. Para o Velho Continente, se apresenta uma atrativa possibilidade de repetir o sucesso do padrão GSM, conseguindo estabelecer um mercado digital único de aplicativos e serviços para todas as cidades.

Para garantir a liderança destas cidades, é necessário criar áreas de trabalho na Europa, que potenciarão uma visão compartilhada das Smart Cities.

O que necessita Europa para ser líder em Smart Cities?

De acordo com o relatório, o primeiro passo para a popularização e o “desenvolvimento real” das cidades conectadas, passa por incentivar a implementação de projetos piloto em grande escala das mesmas. Além disso, é necessário promover o desenvolvimento de soluções relacionadas com a Internet das Coisas, para aplicá-las às Smart Cities.

Como já comentamos, outro ponto imprescindível para a evolução deste conceito na Europa é o estabelecimento de uma infraestrutura única e aberta, baseada em um padrão de plataforma horizontal. FIWARE, já é a preferida entre muitas cidades, desenvolvida a partir da iniciativa europeia ‘Internet do Futuro’. Seu objetivo fundamental é criar um ecossistema aberto onde se facilite a criação de aplicativos digitais em diferentes setores.

O financiamento e aceleração dos projetos relacionados com as Smart Cities, é fundamental para que todas as startups e PMEs dedicadas ao setor possam colocar em ação, evoluir e lançar seus projetos, baseados em produtos e serviços para as cidades conectadas, a maioria baseadas em IoT. Além disso, é necessário incentivar modelos de relação público-privado para gerenciar de maneira eficaz a inovação e as ações de assimilação.

Texto Anterior

Tim Peake se transformou no primeiro homem a correr uma maratona no espaço

Tim Peake se transformou no primeiro homem a correr uma maratona no espaço
Próximo Texto

Assim é a porta de entrada para o interior de nossas células

Assim é a porta de entrada para o interior de nossas células

Recomendados