Os cinco hábitos incomuns de pessoas altamente produtivas

Por , 25 de Fevereiro de 2016 a las 11:00
Os cinco hábitos incomuns de pessoas altamente produtivas
conhecimento

Os cinco hábitos incomuns de pessoas altamente produtivas

Por , 25 de Fevereiro de 2016 a las 11:00

Você pode ser tão eficaz em 35 horas como você é em 80? Veterano da startup e desenvolvedor Jess Martin pensa que sim. Ele tem trabalhado incansavelmente para otimizar sua produtividade, a fim de trabalhar melhor, não mais. Acredite ou não, as pessoas não nascem com o gene ”faça-logo-tudo”. Produtividade requer tentativa e erro, prática e, até mesmo, permitir-se tempo para ser, bem, preguiçoso de vez em quando.

Jess diz que ele passou a maior parte da sua educação universitária como uma vítima da “maldição de competência”, que é a capacidade de passar mancando baseando-se unicamente no talento. Porque a escola veio de forma natural para ele, nunca precisou de processos para manter-se organizado e melhorar a si mesmo. Inevitavelmente o talento de Jess só levou até certo ponto, e pela primeira vez, a universidade foi difícil para ele.

Curiosamente, não foi até que ele estourou sua habilidade para funcionar somente com seu talento que Jess realmente começou a fazer as coisas. Abaixo ele compartilha algumas das lições mais valiosas que aprendeu ao longo do caminho.

Caixa do tempo: Nem todas as horas são as mesmas

5hábitos2Em seu primeiro trabalho de inicialização fora da escola Jess tinha muito em seu prato. De totais responsabilidades de DevOps a projetar funções de gestão, atirou-se de cabeça e trabalhou mais de 80 horas por semana. Ele sabia que isso não era sustentável e, com era de se esperar, ele se queimou.

Foi então que Jess decidiu fazer a caixa do tempo de sua produtividade. Ao invés de deixar o trabalho transbordar para cada minuto que ele não estava dormindo ou comendo, forçou-se a fazer uma semana de 35 horas de trabalho.

Como uma resposta à Lei de Parkinson, que afirma que “o trabalho se expande de modo a preencher o tempo disponível para sua conclusão”, Jess era rigoroso sobre sua caixa do tempo de 35 horas. “Esse foi o início do aprendizado de um fluxo e aprender o que significa eficiência e eficácia”, explica ele, “De repente, eu tinha 35 horas e quatro trabalhos para fazer”.

Não se castigue

5hábitos3Obrigar-se a ser mais produtivo não veio sem uma curva de aprendizagem. Jess aprendeu que ele precisava perdoar-se caso ele não maximizasse suas 35 horas atribuídas. Como ele diz, “Nem todas as horas são as mesmas. Nem de longe”.

Depois de um tempo, tornou-se evidente que há casos em que tudo que ele precisa é de uma hora e ele é capaz de planejar os próximos 100 dias, e há algumas horas que responder a alguns e-mails é tudo o que ele pode conseguir. Para estes casos, ele aprendeu a lutar contra seus sentimentos de derrota.

“Depois que eu percebi que poderia ser mais eficaz em uma hora, eu realmente me batia quando eu não era”, explica ele. Mas ele logo percebeu que não estava se fazendo nenhum favor.

5hábitos4“A culpa não é um mecanismo muito motivador também. Então se você tem uma péssima hora, se bater pela próxima hora não é a melhor maneira de sair disso. Você só alonga essa falta de produtividade”. – Jess Martin

“A culpa não é um mecanismo muito motivador também. Então se você tem uma péssima hora, se bater pela próxima hora não é a melhor maneira de sair disso. Você só alonga essa falta de produtividade”. Jess aprendeu que é importante ver essa hora de improdutividade como acabada, e avançar com a próxima hora.

Deixar de lado a culpa e seguir adiante é difícil às vezes, mas Jess explica que muitos desses sentimentos foram acalmados uma vez que ele se separou sua falta de produção de seus sentimentos sobre si mesmo. Se seus resultados não estão indo do jeito que ele quer, sua identidade também não ameaça com arrancar. Uma maneira criativa de combater isso é através da criação de margens em seu tempo.

Criar Margens

5hábitos5Jess acredita que maximizar verdadeiramente sua caixa do tempo não significa reservar cada segundo do seu dia com uma tarefa que deseja realizar. Ele chama o tempo entre compromissos de “margens”, sinalizando um período aberto para a transição para a próxima atividade. Aplicativos de calendário permitem que uma pessoa reserve um engajamento um após o outro, e em pouco tempo quase não há um momento para respirar. Uma programação sem margens é uma receita infalível para queimar os cartuchos.

A analogia que Jess gosta de usar é a de uma rodovia completamente utilizada. Uma rodovia completamente utilizada é, de fato, um estacionamento, e deve ser evitada a todo custo. Se você cometer o menor erro em uma estrada completamente utilizada, o resultado é um acidente de carro.

Criar margens pode ser diferente para todos, mas para Jess, gira ao redor de como equilibrar os tipos de atividades que ele faz a cada dia.

Encontrar o equilíbrio

5hábitos6Jess diz que seu dia perfeito consistiria em se exercitar mental, fisica e relacionalmente. Além das caixas de tempo mentalmente estimulantes que ele cria para o trabalho em si, ele também procura equilíbrio com o resto de sua vida.

Durante seus dias orientados para o trabalho onde está com cabeça para metida em código por horas, ele faz questão de almoçar com um amigo, “de modo que eu estou realmente tendo uma conversa humana”. Romper um dia muito técnico com alguma socialização o ajuda a se sentir revigorado e continuar.

Às vezes, fazer alguma atividade física é a sua solução para obter mais de seu tempo: “Estou vestindo roupas de corrida agora, porque esta manhã foi realmente horrível. Então, estou indo correr um pouco depois desta ligação. Espero que isso dinamize o resto do dia”. A atividade física serve a um propósito duplo para Jess: ele vê isso como uma maneira de se afastar um pouco e avaliar seu progresso desde outro ponto de vista, sem mencionar a liberação de endorfina, que ajuda a injetar mais energia em suas tarefas.

Visualize Linhas de Acabamento

5hábitos7Visualizar um resultado final pode ser uma maneira eficaz de iniciar o processo. Então, se Jess tem-se atribuído algumas horas para se concentrar em uma iniciativa, ele começa com o que prevê ser o resultado final.

“Tento começar cada caixa de tempo com a ideia de onde eu quero estar no final, e, em seguida, trabalhar na ordem inversa dos passos que preciso para chegar lá”. Jess gosta de definir uma meta mais geral para a finalização de sua caixa do tempo, porque se não ele corre o risco de ficar atolado em um aspecto.

Por exemplo, se ele está escrevendo um post, ele estabelece uma meta de ter um esboço completo feito em um determinado período de tempo. Caso contrário, ele pode gastar tempo demais em pesquisar na Internet ou na elaboração de uma introdução cativante, quando o que ele realmente precisa é apenas um fluxo geral do artigo.

Jess se mantém ocupado aplicando essas práticas (e muitas mais) a sua última startup, First, que é uma plataforma de análise de dados para o mercado imobiliário. Ele também acredita em usar Trello para praticamente tudo. Não deixe de ler mais sobre hacks de produtividade de Jess Martin em Medium, e aprender como maximizar seu fluxo de trabalho, hora a hora.

Aprenda mais sobre como Trello Business Class pode melhorar a produtividade de toda sua equipe.

Texto Anterior

Não importa o quanto se lê agora, mas como se lê

Não importa o quanto se lê agora, mas como se lê
Próximo Texto

NESD, o programa de neuroengenharia de DARPA

NESD, o programa de neuroengenharia de DARPA

Recomendados