As redes sociais e seu papel fundamental em situações de catástrofe

Por , 2 de Fevereiro de 2016 a las 19:00
As redes sociais e seu papel fundamental em situações de catástrofe
Sin categoría

As redes sociais e seu papel fundamental em situações de catástrofe

Por , 2 de Fevereiro de 2016 a las 19:00

As redes sociais estão se tornando cada vez mais importantes para nossa comunicação diária. No caso de catástrofes até mesmo desempenham um papel primordial.

Os atentados de Paris, fora o terror e a consternação generalizada que provocaram, não só na França, mas também na Europa e no mundo, trouxeram à tona a percepção de que as redes sociais podem desempenhar um papel fundamental neste tipo de situações extremas.

Não é à toa que muitos dos participantes da sala de concertos Bataclan foram capazes de twittar o que estava acontecendo no interior durante o tiroteio dos terroristas do Estado Islâmico, enquanto forneciam pistas importantes para que as forças de segurança pudessem entrar no local com mais garantias.

Seu impacto positivo

Mas não só a tempos recentes o aplicação das redes sociais se limita a este tipo de contextos de máxima dificuldade. Podemos voltar a 2010, quando um terremoto de 8,3 graus na escala Richter atingiu o Chile no meio da madrugada. As autoridades levaram várias horas para fornecer informações precisas sobre o tema, mas Twitter só precisou de alguns minutos para que começassem a proliferar mensagens alertando sobre o terremoto e explicando ao mundo o que estava acontecendo.

Uma pesquisa realizada naquele ano pela Cruz Vermelha nos Estados Unidos refletiu como as redes sociais já eram mais uma ferramenta a ser usa durante uma crise. Assim, 16% dos entrevistados disseram ter usado Twitter ou Facebook para obter informação durante uma situação extrema, enquanto que 50% dos usuários com idade entre 18 a 35 anos estavam convencidos a procurar ajuda através de seu perfil pessoal nas redes sociais.

redecatastrofe2

Desde então, os números continuaram a crescer exponencialmente, e os ataques terroristas de Paris são a prova clara desta tendência. Não é a toa que, e independentemente dos pedidos de ajuda das pessoas afetadas, Twitter serviu para transmitir ao vivo e de forma mais ágil e imediata que a mídia tradicional tudo o que estava acontecendo nos vários pontos de interesse. No dia seguinte, Facebook tornou-se uma ferramenta essencial para saber se nossos amigos ou conhecidos que residiam na capital francesa estavam seguros, graças ao papel que a empresa de Mark Zuckerberg ativou a respeito.

O terremoto do Nepal serviu também para testar estes mecanismos de alerta de redes sociais e testar sua ampla capacidade de resposta a uma situação crítica. Anteriormente, durante o tsunami que atingiu a costa do Japão, Skype facilitou bônus de ligações gratuitas às pessoas das áreas destruídas e o Google criou um mecanismo de busca (posteriormente convertido em tradição sempre que um desastre acontece) para encontrar pessoas desaparecidas. No caso da explosão do vulcão de nome impronunciável de Eyjafjalla, na Islândia, as companhias aéreas usaram seus canais sociais para transferir, em primeira mão, as novidades sobre cancelamentos, atrasos e atualizações de suas aeronaves.

redecatastrofe3

Nesse sentido, as redes sociais têm-se revelado muito úteis tanto para o cidadão comum (mais informação em tempo real, sem a mediação ou a manipulação do governo), mas também para a polícia, que tem acesso a informações que de outra forma nunca teria (ou, pelo menos, não tão rápido) para ajudá-los a gerenciar melhor a crise e acelerar suas investigações e pesquisas. Sem esquecer o uso proativo que as autoridades podem (e deve) dar a este tipo de canais para fornecer notícias e conselhos aos cidadãos de forma transparente e direta.

O prejuízo das redes sociais em situações extremas

No entanto, como as moedas, o uso de redes sociais em tais circunstâncias também tem um lado negativo que pode custar até mesmo vidas humanas, no pior dos casos. Isso aconteceu também no caso dos ataques em Paris e, especialmente, com as operações policiais subsequentes contra os comandos responsáveis na Bélgica e Paris, as redes sociais dão voz não só a pessoas bem-intencionadas, mas também a pessoas que, aproveitando-se do anonimato da Internet, se dedicam a criar e espalhar boatos e invenções de todo tipo.

Não surpreendentemente, no caso dos atentados do ISIS, as redes sociais espalharam repetidamente o boato de que alguns terroristas poderiam ter escapado para a Espanha, algo que foi negado pelas autoridades de ambos os países. No entanto, vários meios de comunicação acreditaram nos comentários soltados nas redes sociais, espalhando o pânico em várias aldeias vizinhas da França.

Isso, aplicado a situações de catástrofe, pode propiciar que um grupo de usuários emita comentários falsos, a fim de alterar não apenas o que publicam os meios de comunicação, mas também para alterar os movimentos e a reação das autoridades, dando pistas falsas ou que conduzam os movimentos da polícia no sentido que convém aos terroristas. Ou simplesmente no caso de grupos de Internet se divertindo “trollando” e ridicularizando o governo, pelo que no caso de um suposto terremoto poderiam enviar os bombeiros para uma zona perigosa, onde não há necessidade de assistência, enquanto outros estão em risco e passam despercebidos pelas autoridades.

Texto Anterior

50% da energia da Escócia já é renovável

50% da energia da Escócia já é renovável
Próximo Texto

Suécia finaliza os detalhes para o lançamento da primeira rodovia elétrica para caminhões

Suécia finaliza os detalhes para o lançamento da primeira rodovia elétrica para caminhões

Recomendados