Limpar o lixo espacial desde fora da Terra com este “motor” chinês

Por , 22 de Dezembro de 2015 a las 07:00
Limpar o lixo espacial desde fora da Terra com este “motor” chinês
tecnologia

Limpar o lixo espacial desde fora da Terra com este “motor” chinês

Por , 22 de Dezembro de 2015 a las 07:00

Engenheiros desenvolveram um “motor” que poderia limpar o lixo espacial desde fora da Terra. O protótipo se propulsaria utilizando os próprios restos.

Meio milhão de peças fora de uso orbitam ao redor da Terra a uma velocidade vertiginosa de quase oito quilômetros por segundo. Isto é o que as agências espaciais denominam lixo espacial, que põem em perigo os satélites e missões que possam “se colocar” em seu caminho. Hollywood inclusive alertou sobre este problema, retratado muito bem no filme Gravity.

No filme estrelado por Sandra Bullock e George Clooney, um pedaço de lixo espacial golpeia o ônibus espacial Explorer. São momentos muito tensos na tela grande, que felizmente só aconteceram na ficção e não na realidade. No entanto, os pesquisadores estão trabalhando, para evitar este problema. Com esse objetivo, por exemplo, cientistas do MIT desenvolveram um algoritmo para determinar a rotação de objetos na ausência de gravidade. Quanto mais informação temos sobre esses objetos, mais fácil será evitar possíveis danos associados com o lixo espacial.

lixoespacial2

Uma nova iniciativa lançada por engenheiros chineses, permitiu o desenvolvimento de um protótipo que poderia limpar o lixo espacial desde fora da Terra. A ideia com que nasce este “motor” é impulsionar-se através dos próprios restos orbitando o planeta, de forma que possa trabalhar e circular continuamente. A pesquisa foi publicada no renomado repositório arXiv.

O motor funciona da seguinte forma: primeiro vai introduzindo o lixo espacial em seu interior, e então começa a triturá-la. Assim, os restos e peças vão se desintegrar até virar pó com grãos de apenas alguns micrômetros. Assim, os engenheiros utilizam logo a aceleração do movimento deste pó de lixo espacial para se impulsionar e continuar trabalhando.

Suas ideias, com base no motor VASIMR (Motor de Magnetoplasma de Impulso Específico Variável) da NASA, poderiam ajudar na luta contra o lixo espacial. Embora acidentes como os da Gravity não tenham acontecido -colocando em risco os astronautas da Estação Espacial Internacional-, sim ocorreram colisões contra satélites que orbitavam ao rededor da Terra. Em 1996 e 2009, colisões deste tipo não só afetaram missões francesas e norte-americanas, como produziram maior quantidade de lixo espacial. Esta é a razão pela qual este “motor” chinês pode ser uma solução viável para resolver estes problemas.

Imagens | Jwmissel (Wikimedia), NASA Orbital Debris Program Office (Wikimedia)

Texto Anterior

A nova técnica de produzir grafeno é 100 vezes mais barata

A nova técnica de produzir grafeno é 100 vezes mais barata
Próximo Texto

O caso do Uruguai: 95% da sua eletricidade vem de energias renováveis

O caso do Uruguai: 95% da sua eletricidade vem de energias renováveis

Recomendados